Arquivo para abril, 2009

sesc melhores filmes 2009

Posted in serviço with tags , , , , , on 06/04/2009 by Flávia Scherner

Pra quem está em Sampa: essa não dá pra perder, né?? Começa na quinta, dia 9 de abril.

Não assisti todos que estarão na programação, mas assisti vários e se fosse pra recomendar um… o meu escolhido é “Estômago“, que por sinal, tô louca pra que saia logo pra venda em dvd pra poder assistir a hora que eu quiser! E não é bairrismo não, ok que foi rodado boa parte em Curitiba, diretor e maior parte do elenco é de lá… mas é que realmente gostei muuuuuito do filme que apesar de ter tido pouca repercurssão por aqui, arrematou vários prêmios em diversos festivais pelo mundo. Tem João Miguel e Fabiula Nascimento arrasando em cena!!

Aliás… anotem o nome da moça, logo logo estará estourando por aí. Assim disse Flávia, a profeta.

Anúncios

pensando bem…

Posted in entrevistas, no zoom, pra ver e rever with tags , , on 06/04/2009 by Flávia Scherner

Já que essa semana o blog estará meio parado, que tal rever as matérias e entrevistas que passaram pelo zoom? Ou ver alguma que você perdeu? Vocês sabiam que no youtube temos algumas versões diferentes ou “bônus” do que foi ao ar no programa?? Pois é!! Então divirtam-se clicando aqui.

E pra facilitar o trabalho, vou deixar aqui a parte da entrevista com o Meirelles que foi só pro youtube, onde ele fala sobre como começou no cinema, seu processo de trabalho… uma das minhas entrevistas preferidas e que sempre gosto de rever:

olá olá

Posted in Uncategorized on 06/04/2009 by Flávia Scherner

Oi meus queridos!!

Essa semana não vou gravar nenhuma entrevista nem matéria… semana light! Amanhã cedo gravaremos dois programas por causa do feriado que vai ter do dia 21 de abril. Então acho que só volto a dar as caras por aqui semana que vem… afinal, segunda, dia 13, temos uma entrevista bem bacana pra fazer lá na FAAP.

beijo beijo e uma óóóótima semana pra todos!!

a canseira no divã

Posted in entrevistas with tags , , , , on 03/04/2009 by Flávia Scherner

Ontem à noite fomos na pré estréia do filme “Divã“.

Eu fui de manhã na cabine pra imprensa, assisti o filme que é bacaninha, dá pra rir e se emocionar. A Lília Cabral é um arraso de atriz, a Alexandra Richter que faz Mônica, a melhor amiga de Mercedes (Lília Cabral) tb manda muito bem e elas fazem um contraponto muito legal de personalidades. José Mayer tá diferente do que a gente costuma ver nas novelas da Globo, o que é bom, Gianecchini lindo e sorridente como sempre e de quebra ainda tem o Cauã Reymond dando o ar da graça.

Mas estou aqui pra falar das entrevistas, certo? E eis o motivo do título do post… O que tinha sido nos passado pela assessoria de imprensa era que o elenco daria as entrevistas à noite, enquanto estivesse rolando o filme. Ótimo, muito mais tranquilo assim… conversamos com cada ator, rola uma pauta legal, dá pra explorar bastante coisa, lindo! Mas… (e sempre tem um “mas…”) as coisas não foram bem assim. Chegamos lá, montamos nosso set, tranquilas, a equipe feminina do zoom que sempre chama atenção (estava a Dani – diretora – como câmera, a Eneida – produtora – e eu)… Uma fila enoooooorme se estendia na entrada do Cinemark do Shopping Eldorado, cada um garantiu sua pipoca e coca-cola e tava feita a festa! Eis que chega o elenco e com ele o “efeito Gianecchini” – como disse mais tarde a produtora do filme –  uma muvuca, todo mundo querendo tirar fotos com os atores. A imprensa partiu pra disputa dos flashes e entrevistas e nós, confiantes e tranquilas que teríamos o nosso momento a sós com as estrelas da noite. Então vem uma das meninas da assessoria nos informar que o elenco resolveu que iria assistir o filme! E a nossa entrevista?? Pois é… terá que ser agora. As assessoras foram trazendo um por um pra eu entrevistar, sem set certo, com o limite de tempo sendo sempre extrapolado por mim, eu fazia a pergunta e ficava vendo as assessoras desesperadas atrás fazendo sinal pra acabar a entrevista… desanimador! Entreviste a Lília Cabral, Marcelo Saback (roteirista) e Gianecchini. Nisso já estavam atrasados pra começar a sessão e não conseguimos falar com o José Mayer… restou a gente esperar a sessão acabar pra podermos falar com ele, tranquilamente, no nosso set, do jeitinho que era pra ter sido com todos, legal, vamos aproveitar e fazer um bate papo bacana com ele e aproveitar pra vários quadros do programa. Mas… (sim, o mas… está de volta) acabou o filme e a assessoria não queria deixá-lo dar entrevista de jeito nenhum, mas a Eneida agarrou ele, levou pro nosso set e falou “ele é nosso!” hehe (ok, não foi bem assim, mas ela travou um disputa realmente). Fiz uma pergunta e adivinhem? A assessora já estava desesperada acenando pra mim “já deu, acabe…” como assim?? Ficamos uma hora e meia esperando pra uma pergunta?? Consegui arrancar mais uma e acabou a nossa alegria. Saímos de lá quase meia noite… foi uma canseira pra conseguir um pouquinho só, não é fácil essa vida de repórter! Mas verdade seja dita, a culpa não foi dos atores, foram todos muito atenciosos e gentis com a gente.

Agora tô correndo indo pro Cinesesc entrevistar o Padilha, Reynaldo Pinheiro e Miriam Chnaiderman e assistir Garapa.

Beijo e tchau!

Ah.. bom final de semana e amanhã te vejo no Zoom!!! (hj tb, no repeteco à 1:30)

é tudo verdade – filmes pra ver

Posted in dê o seu pitaco, festivais, filmes with tags , , , , on 02/04/2009 by Flávia Scherner

uma rápida dica do que eu assisti, gostei e recomendo no é tudo verdade:

Vjs de Mianmar

Domingos

Moscou (apesar da minha decepção, ainda recomendo! é bacana)

Cildo

Cartas ao Presidente

Os que eu ainda não vi mas que o pessoal recomendou:

Garapa

Cidadão Boilesen

deixe suas dicas nos comentários!!

beijo beijo pra vcs que eu tô indo me encontrar com o elenco do filme Divã!

“amanhã será um novo dia”

Posted in filmes with tags on 02/04/2009 by Flávia Scherner

Segunda fui assistir uma cabine do filme sueco “Vocês, os vivos” que estréia em São Paulo no dia 10 de abril. Gostei muito! São vários episódios retratados, alguns acabam se relacionando, outros não… é de um humor peculiar que eu me identifico e com personagens estranhos vivendo suas vidinhas, sempre retratados com planos abertos e câmera parada onde tudo é exposto.

Não vou fazer nenhuma crítica do filme pq não é a minha praia… mas vou colocar aqui um trechinho que achei no youtube pra dar um gostinho pra vcs… é uma das cenas mais bacanas do filme.

e essa é uma que dei muita risada apesar de ser trágica

“moscou”

Posted in entrevistas, festivais with tags , , , , on 02/04/2009 by Flávia Scherner

Oi oi!

Sexta fui assistir o novo filme do Eduardo Coutinho, “Moscou”,  que está no “É tudo verdade”. O filme “Jogo de Cena”, tb do Coutinho, é uma aula de interpretação, saí da sessão maravilhada com Marília Pêra e Andrea Beltrão enfrentando seus dramas e conflitos enquanto realizam uma cena… que lindo!!! Fui assistir “Moscou” com a mesma expectativa e saí do cinema meio decepcionada pq queria conhecer o processo de criação do Enrique Diaz que é um super diretor de teatro e  do grupo Galpão que tb é referência teatral e não é bem isso que o filme mostra…

Primeiro fiquei pensando que criar expectativa é péssimo, pq a chance de se frustrar é grande… Fiquei presa na idéia de ver o processo de criação, os atores e o diretor descobrindo os personagens, o tom das cenas, os tempos, as pausas… e não consegui aproveitar a beleza do filme, curtir as cenas em que os atores estão ensaiando, passando texto enquanto comem e coisas do tipo… tem umas cenas muito bonitas, mas não curti da maneira que deveria, pq tava presa! presa no processo, que foi mostrado só um tiquinho, só pra dar um gostinho de quero mais. Só me senti à vontade de colocar a minha opinião agora, aqui no blog, pq hoje tive a oportunidade de falar isso pro Coutinho, vcs poderão ver nosso bate papo no youtube, em breve…. no programa só vai ao ar um pouco da entrevista. Coutinho disse que a idéia no começo era realmente mostrar o processo, mas que no final, com 40 horas de filme ele não tinha nada de interessante pra mostrar do processo, que já não estava mais interessante!!! (maior decepção minha agora… como que o processo não ficou interessante?? que pena!!), tinha um ou outro momento bancana, mas que se ele colocasse no filme, as pessoas irião querer mais e não tinha, então ele optou por não colocar nada! E foi então que o filme se transformou em algo que ele não tinha pensado a princípio, se transformou e tomou vida na montagem.

Fizemos uma entrevista com ele lá no Espaço Unibanco, depois de termos gravado as cabeças do programa, numa correria pq tínhamos o horário marcado da entrevista. No começo a conversa tava difícil, fiz umas 3 perguntas e só levei na cabeça… ele desmereceu a pauta e eu já tava ficando arrasada pensando “não vou conseguir arrancar nada dele?? Ai.. Coutinho tá me achando uma burra, acabando com as minhas perguntas!!” mas eis que a gente não pode desistir e passado um tempo, enquanto eu ía ficando mais tensa, ele ía relaxando e finalmente a entrevista rolou… nisso a Dani (diretora) já tinha entrado no papo tb e feito perguntas, o que me ajudou a relaxar novamente hehe e quando tivemos que acabar a entrevista que eu tive a coragem de então falar minha opinião sobre o filme… afinal, já tínhamos a entrevista mesmo… se ele ficassa de cara comigo, já não faria mais diferença, e foi quando rolou a melhor parte, a que eu descrevi acima.

E o papo que começou com nós dois nos estranhando, acabou num clima bom, de amizade, com um abraço e um aperto de mão e trocas de palavras carinhosas. 🙂

obs.: só agora consegui terminar esse texto, que eu comecei a escrever na terça (quando rolou a entrevista)